quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Tarte de S. Valentim

 
Comemorar o amor com uma tarte. Um petisco salgado, como deve ser um beijo. Bonito, como deve ser o amor. Uma tarte que, no entanto, foi preparada com ingredientes que precisavam de um aproveitamento. Porque o amor também exige ser reinventado. Cuidado e enfeitado. A seta do cupido, servida à mesa....

Ingredientes

restos de frango assado
1 cebola roxa
1 fio de azeite
1 chávena de chá de ervilhas congeladas 
1 talo de aipo 
1/2 pimento vermelho
4 colheres de sopa de polpa de tomate
6 azeitonas verdes descaroçadas
sal e pimenta
1 base de massa quebrada
margarina para untar a tarteira

Preparação

Desfiar o frango. Num tacho, refogar a cebola picada num pouco de azeite. Juntar o aipo e o pimento vermelho partidos em tiras finas. Deixar cozinhar por uns 5 minutos. Juntar as ervilhas e o frango envolvendo bem. Adicionar a polpa de tomate e cozinhar por mais uns minutos. Rectificar os temperos, adicionando sal e pimenta, a gosto. Estender a base de massa quebrada, com o rolo da massa, de modo que fique ainda mais fina. Cortar ao meio e voltar a estender de forma a obter dois círculos de massa. Com a parte de baixo, forrar uma tarteira previamente untada com margarina. Colocar o recheio e, por cima, as azeitonas partidas às rodelas. Cobrir com a restante massa, unindo os bordos. Com o excedente, fazer um coração, alusivo ao dia... Vai ao forno, previamente aquecido, a 180ºC, por 20 a 25 minutos. 

Bom Apetite!

10 comentários:

turistaocasional disse...

Adorei, simplesmente adorei a tarte, todo o simbolismo associado à mesma, e o seu sabor deve ser divinal como a ocasião merece.

Beijinhos

A Delicodoce disse...

Olá :)
Que linda e que deliciosa deve ser...
Adorei!!!
Dá para mandares uma fatiazita? :D
Bom dia de São Valentim e beijinho.

Cozinhar sem Lactose disse...

Que bela tarte! Estava aqui a pensar numa tarte que tenho que fazer para o fim de semana e esta inspirou-me!

Tertúlia da Susy disse...

Que bela tarte e que deliciosa deve estar.
Kiss, Susy

Ginja disse...

Diria exactamente o mesmo! Reinventar o amor e celebrá-lo nas coisas simples da vida.
Bela tarte :)
Beijinhos.

Lume Brando disse...

Que bonita que ficou!
Feita com amor, para celebrá-lo, parece-me perfeito :)
Beijos
Teresa
PS: quanto à compota de kiwi nunca fiz porque a rainha das compotas é a minha mãe! Mas um destes dias quem sabe não me aventuro ;)

foodwithameaning disse...

Que bela reinvenção do amor. Confecionar um prato para que seja partilhado é por si só um gesto de amor.
Gostei do pormenor da flecha.
bj
Patrícia

Babette disse...

Gestos de amor numa tarte quotidiana!
Obrigada pelas palavras generosas...
Babette

Mar disse...

Estas tartes são mesmo a essência da reinvenção. Como o amor, no fundo. Que se reinventa, a que se acrescenta mais um ingrediente. E gostei muito especialmente das misturas: frango, ervilhas, pimento, azeitonas. O amor também é uma grande "misturada", às vezes:) Melhor assim, não? Amores insípidos são a negação. Nada de setas de Cupidos, nos insípidos:)

Um beijo.

Mar

Babette disse...

Isso tudo. Nada linear, o amor. E admite esats misturadas todas. A parte do reinventar é importante ;)
Babette