segunda-feira, 6 de abril de 2015

As Lulas Guisadas da Avó Ana



Demorou muito tempo até que sim. Creio que está, a receita das lulas guisadas da minha avó Ana. Que saudades tenho dela! Da sua pele tão branca, dos olhos verdes cor de garrafa, do seu cabelo loiro a cheirar a laca. Da sua mala de viagem vermelha, cheia de roupa para a pôr ainda mais bonita. Vaidosa, sempre arranjada, bem pintada, lábios torneados a fumar cigarros por uma boquilha negra que substituía por novas, sempre iguais, e sempre compradas no mesmo sítio. A minha avó Ana fazia os melhores croquetes, os melhores bifes enrolados, o melhor caril, as melhores lulas guisadas, a melhor aletria e as melhores rabanadas. Todas as receitas tiveram sequência na minha mãe, em mim, na minha irmã e na Irene. Todas menos as lulas. Ninguém voltou a fazê-las como ela. A receita não ficou escrita. Demorei anos até que sim. "Usava vinho tinto ou vinho branco?" - perguntava à minha mãe. "Branco" - respondeu. "E tomate, certo?" "Sim, tomate.. E punha um bocadinho de chouriço!". "E como ficava com aquele molho escuro, cremoso e suave"? Pois... Aí é que foi difícil aprimorar. Daqui e dali vieram tentativas. Lulas frescas, maizena e um pouco de leite, foi a minha conclusão. Só tenho pena de não poderem continuar a ser as lulas dela. Da minha avó Ana. Mas sabes, avó? Soube-me tão bem fazê-las e o Zé gostou tanto!...


Ingredientes (para 2 pessoas)

2 lulas frescas, grandes
1 cebola pequena
1 dente de alho
azeite
1 folha de louro
4 rodelas de um bom chouriço 
meia chávena de chá de vinho branco
tomate frito 
1 colher de chá de maizena
1/4 de chávena de chá de leite
sal, pimenta
salsa picada

Preparação

Numa boa peixaria, comprar lulas frescas e pedir para as arranjar e para as cortar em rodelas para guisar. Num tacho, colocar a cebola e o alho picados, o azeite e deixar refogar um pouco. Colocar as lulas, o chouriço aos pedacinhos, um pouquinho de sal, mexer bem e adicionar o vinho. Envolver bem e deixar evaporar um pouco. Adicionar depois o tomate frito suficiente para, juntamente com o vinho branco, formar uma quantidade de líquido suficiente para quase cobrir as lulas. Se necessário, adicionar um gole de água. Deixar as lulas cozinhar até ficarem bem tenrinhas. Quando cozidas, rectificar o sal e adicionar um pouco de pimenta preta. Medir o leite para uma chávena e acrescentar um pouco do molho das lulas. Desfazer aí a colher de maizena. Voltar a colocar no tacho, mexer bem, e deixar cozinhar por mais uns 2 minutos. Retirar do lume e polvilhar abundantemente  com salsa picada. Servir por cima de pão torrado e acompanhar com um pouco de arroz branco. 

Bom Apetite! 





6 comentários:

Ana disse...

Boa tarde, Babette.
Espero que esteja a ter uma boa Páscoa.
Que bonitas as lulas da avó Ana! Aspecto delicioso. São tão boas as receitas que associamos às pessoas que amamos e de quem sentimos a falta.
A receita de lulas, que herdei de ver a minha mãe fazer, é muito idêntica, só não costumo deitar leite. Agora, servir em cima de pão torrado, é sempre.
Boa semana, em espírito de Páscoa.
Bjs
Ana

Mar disse...

Apesar de não ter memórias de comidas de avós, sempre gostei muito de ver as receitas das avós dos outros. A vida não me deu isso, mas estava a ler o teu post e a lembrar-me de todas as coisas inesperadas que a vida me dá, afinal. A começar por ter herdado o caderno da avó do meu marido. Lá dentro, também uma receita de lulas semelhante a esta, num molho generoso de vinho do Porto. Quando as servi, ficaram os dois comovidos, o Vasco e a minha sogra. A comida não deixa que as pessoas desapareçam. Não das vidas dos que as conheceram. Tudo o mais, faz parte. E é a vida a acontecer.

Um beijo grande. Boa semana!

Susana Machado disse...

Que bela receita! Só não era para mim, era para o to!!!
Beijinhos,
http://sudelicia.blogspot.pt/

Cozinhar sem Lactose disse...

Adoro! E já não como há tanto tempo!

cozinha100segredos disse...

Não sou muito fã de lulinhas devido a um mau episódio num restaurante mas essas estão com muito bom aspeto. Era capaz de me render!

Babette a festa de disse...

Ana,
Foi especialmente importante esta receita neste dia. Sabemos que estão sempre connosco as pessoas que nos querem bem.

Mar,
A vida deu-te tb a avó do teu marido, vês? São importantes as memórias mas mais importante ainda dar-lhes mais vida.

Susana, Cozinhar sem lactose
são mesmo saborosas

Cozinha sem segredos
Não duvido ;)

Babette